2 de jul de 2019

O Dia do Hospital é celebrado no dia 2 de julho


Não coincidentemente, escolheu-se celebrar o Dia do Hospital em 2 de julho porque foi quando o prédio da Santa Casa da Misericórdia foi fundado, em 1945. Porém, o Brasil tem uma data separada da do restante do mundo: o Dia Internacional do Hospital é celebrado em 14 de julho e foi instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
O hospital hoje faz parte de toda a sociedade, ocidental e oriental, uma vez que se faz extremamente necessário e insubstituível para a manutenção da vida e da saúde do ser humano. É nos hospitais que se curam doenças, se fazem partos e onde é possível realizar e se recuperar de uma cirurgia, por exemplo.

O surgimento dos primeiros hospitais
Acredita-se que as primeiras localidades que se assemelhavam aos hospitais que conhecemos hoje começaram a surgir já na Antiguidade. Seu principal objetivo era tratar daqueles que eram feridos em guerra. As doenças de civis eram normalmente tratadas em casa, com médicos que se deslocavam até os pacientes e não o contrário, como é mais comum na atualidade.
Pinturas que datam de 2900 a.C. já retratavam estes locais que curavam os guerreiros, o que mostra que a necessidade por um espaço de cura e de descanso sempre existiu e apenas foi se acentuando com o tempo e as necessidades de saúde do ser humano.
Porém, apenas com a expansão do cristianismo é que se acredita que o conceito de hospital também se espalhou pelo mundo. Estes primeiros espaços de cura ofereciam abrigo e assistência tanto para os que se encontravam enfermos, como para aqueles que peregrinavam ou não tinham o que comer.
A partir daí é que se pode perceber uma mudança importantíssima no conceito de “espaço de cura” que se tinha até então: o hospital passou a ser um lugar mais humanístico e comunitário do que era antes, na Antiguidade.
Celebrando os profissionais de saúde no dia 2 de julho
Obviamente que o Dia do Hospital não existe para que se celebre a existência de um espaço ou prédio, mas sim, daqueles que são responsáveis por fazer essa organização funcionar para atender aos que precisam e estão com a saúde comprometida.
O primeiro hospital brasileiro foi criado apenas em 1945 (ainda que já existissem espaços que não eram de origem brasileira funcionando no país), que foi a Santa Casa de Misericórdia, na cidade de Santos, em São Paulo. As Santas Casas existem até hoje e estão espalhadas por todo o país, sendo a de São Paulo referência no estudo de medicina e vinculada à USP.
Hoje, o avanço na saúde é claro, mas ainda insuficiente: contando com mais de 6 mil hospitais, o Brasil ainda precisa melhorar suas políticas de saúde pública, estendendo o SUS e melhorando seus serviços.
24 hospitais no Brasil têm a certificação de excelência internacional que é concedida pela Joint Comission International (JCI). Os mais famosos são Hospital Albert Einstein, Hospital Nove de Julho e o Hospital das Clínicas, que é público e vinculado à USP, sendo um centro de pesquisas acadêmicas também. 
Nossa Opinião: Nós que fazemos parte desta instituição que beneficia a população em geral, no setor de equipamentos do Hospital Universitário de Lagarto,  queremos nos congratular com todos os demais colegas de trabalho por juntos fazermos parte desta história que no dia-a-dia lutamos em prol de levar saúde a população.
Texto extraído do site, acrescido de nossa opinião com foto ilustrativa do Hospital Universitário de Lagarto/SE.
Jose Raimundo da Silva
Jornalista DTR 1558

21 de mai de 2019

Ex-prefeito Ribeirinho foi internado no Hospital São Lucas na capital sergipana

Ribeirinho ao lado de Luciano Bispo

Aos 91 anos, o ex-deputado estadual e ex-prefeito de Lagarto, Rosendo Ribeiro Filho, mais conhecido por Ribeirinho ou velho Guerreiro, foi internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Lucas, em Aracaju. A ação ocorreu no último final de semana.
De acordo com Maria Luíza Ribeiro, filha de Ribeirinho e atual chefe da Secretaria Municipal de Saúde, Ribeirinho foi internado por recomendação médica. Uma vez que o mesmo apresentava febre alta e muita falta de ar. “Devido a sua idade, qualquer coisinha a gente já o leva para o hospital. Mas seu quadro embora esteja estável, ainda requer cuidados”, acrescentou Luíza.
Sobre sua saúde, Luíza lembrou que Ribeirinho sofre com a doença de Parkinson há 26 anos. “Ele sempre foi muito saudável. Graças a Deus nunca fez cirurgia e nem bebe e nem nunca fumou. O único vício dele é a política, tanto é que ele sempre nos obrigou a levá-lo para os comícios”, destacou.

25 de mar de 2019

Municípios têm novo prazo para acabar com lixões


Obrigação deve ser cumprida ainda em 2019 por diversas cidades brasileiras.
Um grande número de municípios deve eliminar os lixões ainda em 2019 segundo os novos prazos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). “Infelizmente, com a falta de planejamento e a penúria financeira das cidades, mais uma vez o governo será obrigado a prorrogar a data para o fim desses locais de depósito irregular de lixo”, comenta o engenheiro Luiz Pladevall, presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e vice-presidente da ABES/SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).
A Lei foi Sancionada em 2 de agosto de 2010, a PNRS que estabelecia até o final de 2014 o prazo para que as prefeituras se adequassem às novas regras. Em julho de 2015, o Senado estendeu para 2019. a >edmir@libris.com.br – (11) 98937-3503 / r. 234 
Fonte:
Marco Berringer – marcopaulo@libris.com.br – r. 223
Edgard Léda – edgard@libris.com.br – r. 222

Brasil tem quase 3 mil lixões em 1.600 cidades, diz relatório


O Brasil tem quase 3 mil lixões funcionando em 1.600 cidades, segundo relatório da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Por lei, todos os lixões do Brasil deveriam ter sido fechados até 2014, prazo dado pela Política Nacional dos Resíduos Sólidos.
O levantamento da Abrelpe mostra que, de 2016 para 2017, o despejo inadequado do lixo aumentou 3%. A produção de lixo no Brasil também aumentou no ano passado. Cada brasileiro gerou 378 kg de resíduos no ano, um volume que daria para cobrir um campo e meio de futebol.

4 de fev de 2019

Superintendente participa da posse do novo presidente da Ebserh


Empresa pública é vinculada ao MEC e atua na gestão de hospitais universitários federais
O superintendente do Hospital Universitário de Lagarto (HUL-UFS), professor Valter Santana, participou ao longo desta semana em Brasília da primeira reunião entre os superintendentes dos hospitais da Rede Ebserh e os novos dirigentes da empresa pública, culminando nessa quinta-feira, 31, com a posse do novo presidente da estatal, que é vinculada ao Ministério da Educação.  
“Iniciamos uma nova fase na Ebserh”, destacou o superintendente Valter Santana. “Tenho convicção de que o presidente Oswaldo Ferreira, com a competência e experiência obtida ao longo de sua trajetória, agregará um imenso valor para que os hospitais da Rede se consolidem e continuem a trajetória crescente de desenvolvimento”, observou. O professor Valter esteve ao lado do reitor da Universidade Federal de Sergipe, professor Angelo Antoniolli, e da superintendente do HU-UFS, professora Angela Silva.
O novo presidente da Ebserh é Oswaldo Ferreira, general da reserva do Exército Brasileiro, que foi empossado pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez, em cerimônia ocorrida ontem em Brasília. Natural de Juiz de Fora (MG), Oswaldo Ferreira tem 68 anos, é engenheiro e possui mestrado e doutorado.
“Temos de ter um respeito muito grande na questão assistencial, pois somos os hospitais universitários federais procurados por quem mais necessita”, ressaltou o novo presidente da Ebserh. “Então tem que haver um planejamento das ações muito bem feito e essa será a tônica do meu trabalho”, salientou.
O novo presidente recebeu a responsabilidade de conduzir a empresa das mãos do médico Kleber Morais, que vinha conduzindo a empresa pública até esta semana. Além do presidente da Rede Ebserh, foram apresentados os novos diretores da empresa pública federal, durante reunião com os dirigentes de hospitais e universidades federais.
Sobre a Ebserh
Vinculada ao Ministério da Educação, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) atua na gestão de hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do SUS, e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.
A empresa, criada em dezembro de 2011, administra atualmente 40 hospitais e é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações em todas as unidades existentes no país, incluindo as não filiadas à Ebserh.