21 de nov de 2017

LAVA-JATO chega a Itabaiana, no agreste de Sergipe; Adriano Correia conduzido coercitivamente

Uma pessoa foi presa na manhã desta terça-feira (21) na 47ª fase da Operação Lava Jato. Ao todo, foram expedidos 14 mandados judiciais em cidades da Bahia, Sergipe, Santa Catarina e São Paulo. A atual fase foi batizada de Sothis. O mandado de prisão cumprido é temporário, e o nome não tinha sido divulgado até a última atualização da reportagem.


A ação também cumpre oito mandados de busca e apreensão e cinco são de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para prestar depoimento.
A ação, segundo o Ministério Público Federal (MPF), mira um ex-gerente da Transpetro, subsidiária da Petrobras, seus familiares e intermediários, suspeitos de operacionalizarem o recebimento de R$ 7 milhões de propinas pagas por empresa de engenharia, entre setembro de 2009 e março de 2014.


Investigações
Ainda segundo o MPF, as investigações começaram após a colaboração premiada dos executivos da empresa investigada. Conforme os procuradores, há provas que indicam que o ex-gerente recebeu suborno para favorecer a empresa em contratos com a Transpetro.
Para ocultar a origem ilícita dos recursos, o valor foi pago por meio de depósitos realizados em contas bancárias de terceiros e familiares, vindo de contas da empresa de engenharia e/ou de seus sócios.

Conforme os procuradores, o ex-gerente teria pedido, inicialmente, o pagamento de 1% do valor dos contratos da empresa com a Transpetro como propina, entretanto, o acerto final ficou em 5%.
"Este valor foi pago mensalmente em benefício do Partido dos Trabalhadores (PT), de modo independente dos pagamentos feitos pela mesma empresa a pedido da presidência da Transpetro, e que eram redirecionados ao PMDB. O ex-gerente se desligou da subsidiária da Petrobras recentemente", disse o MPF.
Os crimes investigados na operação são corrupção, lavagem de dinheiro, entre outros. O alvo de prisão temporária será levado para a Superintendência da PF, em Curitiba.

O nome da operação
O nome da operação, segundo a PF, é uma referência a uma das empresas investigadas, chamada Sirius. "A estrela Sirius era chamada pelos egípcios de Sothis", explicou a corporação.

ITABAIANA
Quatro agentes estão em uma residência na rua Barão do Rio Branco, 226, na cidade de Itabaiana
Os agentes estão na residência de uma conhecida professora de Itabaiana, que está internaa.

NE Notícias apurou que a professora é inocente. O objeto da operação é Adriano Correia, seu filho. Adriano é engenheiro da Petrobrss e está sendo conduzido coercitivamente para prestar depoimento na PF.


Fonte: G1, da redação

Nenhum comentário:

Postar um comentário