29 de abr de 2015

Comissão aprova devolução a Ribeirinho de mandato cassado pela ditadura



Ribeirinho foi cassado durante o regime militar. Proposta precisa ser votada em plenário.
O Guerreiro Ribeirinho o lider do Bole-Bole
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) aprovou ontem, por unanimidade, um Projeto de Resolução de autoria do deputado Gustinho Ribeiro (PSD), que tem por objetivo a devolução simbólica do mandato de deputado estadual do seu avô, Rosendo Ribeiro Filho. A proposta agora aguarda aprovação pelo plenário da Assembleia.
Se aprovada em plenário, o projeto declara nulo o ato da Assembleia, que em 1969 extinguiu o mandato do deputado estadual Rosendo Ribeiro Filho. "Ribeirinho, o velho guerreiro, está ativo na política há mais de 60 anos e não existe registro algum de corrupção em toda a sua vida pública. Diante de tão bela história política e de um ato extremamente autoritário e antidemocrático enfrentado por ele, com a cassação do seu mandato é que se faz justificar esse singelo gesto de reconhecimento da Assembleia aos princípios democráticos e de justiça", explicou o deputado Gustinho Ribeiro.

Para o dpeutado do PSD, no momento em que o país vira esta página, a Assembleia Legislativa fará um gesto de reconhecimento com o deputado que sofreu com a força do arbítrio, que atropelou a vontade popular e cassou um mandato que foi obtido democraticamente. "É uma forma de dizer que atos antidemocráticos como esse não podem mais ocorre em Sergipe e no Brasil", concluiu.
Cassação
Após a cassação dos direitos políticos do então presidente Gilton Garcia, em 1968, Ribeiro Filho chegou a presidência da Assembleia Legislativa. No ano seguinte, seu mandato, conseguido democraticamente através do voto popular, foi cassado, sem direito algum ao contraditório e a qualquer tipo de defesa.
Nas pegadas da cassação de Ribeirinho, a ditadura militar fechou a Assembleia Legislativa, um ato que representa claramente as arbitrariedades praticadas pelo regime ditatorial na época.
Em suas declarações, Ribeirinho confessa que até hoje não entende porque cassaram o seu mandato. Desconfia que seu protagonismo político, sua simpatia pelo ex-governador Seixas Dória, somados com uma declaração que deu na tribuna da Assembleia Legislativa, onde afirmava que as armas que o protegiam eram os milhares de eleitores da sua terra foram os motivos para esse ato antidemocrático.
Após a cassação ele mudou-se para o Rio de Janeiro, afastou-se da vida pública e passou a visitar raramente sua amada Lagarto.
Histórico
Rosendo Ribeiro Filho nasceu no município de Lagarto em 31 de janeiro de 1928. Segundo filho de uma família de oito irmãos, Ribeirinho, como é carinhosamente chamado, aprendeu cedo a gostar de política e ingressou na vida pública em 1954, quando foi eleito vereador em Lagarto.
Em 1958 foi eleito deputado estadual pela primeira vez, conseguindo posteriormente mais quatro mandatos na Assembleia Legislativa (1959-1962/1967-1969/1987-1991/1991-1995/1995-1999), tornando-se o único deputado a ocupar todos os cargos da Mesa Diretora da Casa.
Em 1962, Ribeirinho voltou a disputar a eleição municipal em Lagarto, desta vez para prefeito, conseguindo se eleger e administrando o município entre os anos de 1963 e 1966. Em sua gestão Ribeirinho expandiu a cidade, mudando o local da feira livre e construindo o Mercado Municipal. Outra importante obra do velho guerreiro, como seus parentes também o chamam, foi a construção da caixa d´água municipal.
Em 1967, Ribeiro Filho retornou a Assembleia Legislativa. Em seu segundo mandato, e após ter sido prefeito de Lagarto, Ribeirinho era um político de rápida ascensão, líder regional e com um futuro muito promissor. Foi cassado em 1969.
Bole-bole
De volta a vida política, Ribeirinho continuou a construção do seu imenso legado público e criou um dos mais tradicionais grupos políticos de Sergipe, o Bole-Bole, assim denominado por ele.
Ribeirinho se diz um entusiasta da oxigenação política e foi fundamental na carreira de importantes lideranças: o seu irmão, ex-prefeito e ex-deputado, Cabo Zé; o seu filho, ex-deputado e Conselheiro do Tribunal de Contas; Luiz Augusto Ribeiro; o ex-prefeito José Vieira Filho, que também foi deputado; a sua filha, ex-deputada, Luiza Ribeiro; o seu sobrinho, ex-deputado federal, Adelson Ribeiro; a sua filha, ex-vereadora, Acácia Ribeiro; o ex-prefeito, Valmir Monteiro, que é deputado estadual; e o seu neto, ex-vereador e deputado estadual, Gustinho Ribeiro.

Por: Eugênio Nascimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário