2 de dez de 2014

Mais uma lanchonete desocupada em Lagarto



Ponto funcionava há 14 anos na Praça do Tanque Grande.
Fotos e Matéria do Portal Lagartense
A comerciante Edilena, que estava convalescendo de uma cirurgia, foi surpreendida por um oficial de justiça com uma ordem de desocupação do seu estabelecimento localizado na Praça do Tanque Grande, em Lagarto, num prazo de dez dias, que venceria nesta quinta (4).
A lanchonete era o sustento da família. Segundo ela, sem qualquer direito há indenização ou recurso, o seu sócio e marido, o popular Raimundo do Pé-da-Serra, reuniu os filhos e amigos e eles mesmos trataram de demolir o que foi possível do próprio comércio hoje dia 2.
"Tenho que arrumar um outro ponto, uma outra solução. Saímos da roça há muitos anos, vendi na época 30 tarefas de terra para construir aquela lanchonete. Valeu a pena. Tínhamos ali uma grande freguesia. Não havia ponto melhor que o nosso", disse Raimundo.
"Pagávamos as despesas do lar e até formei minha filha com o que apurei naquele balcão, e ai vem a Justiça e nos convida a se virar da noite para o dia? Só tenho agora uma aposentadoria para me amparar", desabafou o ex-proprietário.
"Justiça? Meu senhor, justiça nesse país? Só funciona para o trabalhador", interrompe aos prantos dona Edilena.
Ontem o casal trabalhou pela última vez no ponto que funcionava há 14 anos na feira de Lagarto.
Assim como o casal Edilena e Raimundo há muitas outras famílias apreensivas aguardando a indesejável visita de um oficial.

Fonte: Portal Lagartense

Nenhum comentário:

Postar um comentário