3 de fev de 2012

João não admite candidatura, mas já age como futuro prefeito de Aracaju


"Ele já trabalha para, chegando lá, não ser pego de surpresa", revela um aliado do ex-governador
O ex-governador João Alves Filho (DEM) corre da imprensa como o demônio corre da cruz, quando o assunto é admitir com todas as letras que disputará a Prefeitura de Aracaju. O momento que chegou mais perto disso foi quando admitiu ao Universo, no dia 31 de outubro ano passado, estar à disposição do grupo para entrar no pleito. "Não vou garantir que sou eu o candidato. O partido é quem vai decidir. Mas meu nome está lá. É meu dever. Eu hesitei muito, mas não posso me negar a isso. Hoje, não tenho jeito", disse, sem esconder que lidera um grupo que está estudando os problemas de Aracaju, para apresentar soluções.
Apesar de evitar se declarar candidato nas entrevistas, o ex-governador tem confidenciado aos mais próximos que disputa, sim, a eleição. E, em determinados assuntos, já age como futuro prefeito de Aracaju. "Doutor João sabe pelas pesquisas que tem grandes chances de ser eleito prefeito de Aracaju e já trabalha para, chegando lá, não ser pego de surpresa. Ele está estudando todos os detalhes da capital numa forma de detectar onde o administrador precisa dar respostas. Se ganhar, não administrará no improviso. Sem um plano de governo. Pode ter certeza", diz um aliado do ex-governador.
Já o ex-deputado federal José Carlos Machado (PSDB), que não teme mostrar a cara, avalia ser natural que aqueles que pretendem se candidatar elaborem um plano de trabalho, para, quando eleito, executar. "E já estamos fazendo isso. Essa semana aconteceu uma reunião, que eu considero extremamente importante, porque aflige muito a população de Aracaju: a questão da drenagem. Aracaju é uma cidade plana, uma parte abaixo e outra acima do nível do mar, e isso é relevante", disse.
Machado observou que, em 1976, ele era secretário da administração João Alves na Prefeitura de Aracaju, e deixou um projeto executivo pronto de macro-drenagem. "Eu fico surpreso que aquele projeto, pronto desde 76, ainda não foi executado. Estão com profundas dificuldades de resgatar esse projeto", comentando também sobre o Canal do Tramandaí, próximo ao Shopping Rio Mar.
"Aquilo que foi elaborado, deixado pronto, passado 36 anos ainda não foi executado. Some-se a isso a preocupação com a questão da Zona de Expansão, que aflora a cada ano, e a discussão foi em torno do sistema viário que continua o mesmo de 30 anos atrás. Outra coisa que não se deixou de discutir também foi a questão dos resíduos sólidos de Aracaju. Hoje se discute mais o aterro privado que será construído na Taboca (Socorro) e se esquece do projeto da Prefeitura de Aracaju de construir um aterro público na Palestina. Acho que Aracaju vai continuar no lixão. A Adema dá a licença ambiental, mas o alvará para construção da obra depende exclusivamente da prefeitura de Aracaju", comentou.
Machado observou, por fim, que o grupo não deve se antecipar sobre a candidatura de João Alves. "O partido tem até 30 de junho para fazer suas convenções e apresentar os candidatos a prefeito, a vice e a vereador. Não posso dizer que serei vice, mas também não posso me excluir. Isso eu e Venâncio temos dito que será uma discussão interna na coligação e decidiremos isso com absoluta tranquilidade", disse.
Por Joedson Telles Da redação UniversoPolítico.com



Nenhum comentário:

Postar um comentário